GOVERNO GOLPISTA NÃO!

segunda-feira, 25 de abril de 2016

PLACA DE ESTRADA


FICA LOGO ALI, PERTO DE PUTARIA ...

(Obs.: 2003 é o ano-limite que a força-tarefa da Operação Lava-Jato pretende investigar, ou seja, de hoje até 2003. Só investigam os governos petistas, sob a desculpa esfarrapada de que não há interesse jurídico ou viabilidade de se investigar o que ocorreu antes - apesar de vários delatores dizerem que tudo teve início em governos do PSDB, na década de 90.)

Trova do Vento que Passa

Zeca afonso - Grândola, Vila Morena

terça-feira, 19 de abril de 2016

Los Traidores de Raymundo Gleyzer (1973)

FÁBRICAS DE INTOLERÂNCIA E ÓDIO - ATÉ QUANDO?

CONDENARAM E PRENDERAM POLÍTICOS DO PT SEM PROVAS E NÃO FIZEMOS NADA.

PUBLICARAM CAPAS DE REVISTAS OFENSIVAS A LULA, DILMA E AO PT E NÃO FIZEMOS NADA.

ATACARAM MILITANTES QUE USAVAM CAMISAS VERMELHAS NO METRÔ E NAS RUAS E NÃO FIZEMOS NADA.

QUEIMARAM E VANDALIZARAM SEDES DO PT E DA CUT E NÃO FIZEMOS NADA.

HOSTILIZARAM EX-MINISTROS E POLITICOS DO PT EM RESTAURANTES OU EM FRENTE A SUAS CASAS E NÃO FIZEMOS NADA.

AMEAÇAM AFASTAR NOSSA PRESIDENTA COM UM GOLPE LEGISLATIVO E MIDIÁTICO E NÃO FAZEMOS NADA ALÉM DE NOS MANIFESTAR PACIFICAMENTE.


INCITADOS PELA MÍDIA, MOVIMENTOS E PARTIDOS DE DIREITA, FIZERAM E FAZEM TUDO ISSO ... 

QUANDO É QUE VAMOS REAGIR, ANTES DE SERMOS ATACADOS PESSOALMENTE E VERMOS AS PESSOAS QUE ELEGEMOS SEREM AINDA MAIS PERSEGUIDAS E HOSTILIZADAS ?











BANCAS DE JORNAIS VIRARAM ESPAÇO PREFERENCIAL PARA SEMEAR E  EXIBIR ÓDIO AO PT.



quarta-feira, 13 de abril de 2016

CRITICAR É FÁCIL, DIFÍCIL É ESTAR NA PELE DELES ...

A REALIDADE É SEMPRE BEM MAIS COMPLEXA QUE OS DESEJOS OU TEORIAS.

Não vai ter golpe! (Dead Poets Society)

O GOLPE LEGISLATIVO-MIDIÁTICO NÃO PASSARÁ!

O QUE ESTÁ ACONTECENDO NO BRASIL?
(Por Flávio B.Prieto e Alzira Lopes)

De vez em quando é importante oferecer uma visão diferente sobre a forma dos brasileiros lidarem com seus problemas internos e no que realmente eles consistem, já que a transformação dos meios de comunicação nacionais em uma espécie de partido de oposição política torna sua cobertura totalmente nebulosa e pouco confiável. O que está realmente acontecendo no Brasil em termos de política, economia e percepção social? Tentaremos abordar tais indagações neste curto artigo.

A política brasileira experimenta um dilema confuso: embora a maioria das pessoas digam que não confiam em políticos e partidos, votam nas pessoas e partidos que entendem como mais identificados com suas próprias percepções. A percentagem de votos não válidos e nulos no Brasil geralmente varia entre 5 a 10%. E, após as eleições, essas pessoas tendem a manter a mesma posição política que tinham antes, a despeito de quem vença – o que faz com que a luta ideológica continue.

A oposição de direita perdeu quatro eleições consecutivas e isso os exaspera pois pensam e agem como se tivessem direito natural ao poder, o que é incompatível com tal situação. Por isso, decidiram tornar-se cada vez mais combativos. Desde cedo iniciaram o combate em várias frentes, começando por dizer que não iriam aceitar os números da eleição e, em seguida, protocolando diversos processos judiciais e administrativos contra a vencedora do pleito, Dilma Roussef, e seu partido, o PT.

Desde outubro de 2014, quando Dilma foi reeleita, a oposição e sua mídia associada vêm agitando a cena política com estratégias variadas como tentar induzir a inflação a subir, amplificando os efeitos internos da crise  econômica mundial, proferindo duros discursos sobre corrupção enquanto esconde os crimes dos partidos de oposição, bloqueando votações no Congresso e forçando um sombrio tribunal de contas (TCU) a rejeitar as contas orçamentárias do governo Dilma sob razões fabricadas.

Em seguida, começaram a falar em impeachment - que está sendo discutido agora numa comissão especial do Congresso. Como Dilma e o PT conseguiram angariar apoio de partidos menores para barrar esse processo nas próximas etapas, a oposição tem uma jogada alternativa no tribunal superior eleitoral (TSE) - que aprovou a campanha de Dilma em Dezembro de 2014 – com a apresentação de reclamação para que as  contas de campanha do PT sejam reavaliados e rejeitadas, agora.

A economia vem mostrando sinais do início de recuperação lenta - o que leva a mídia de massa a reacender sua campanha inflacionária. Rádio, TV, Internet, jornais e revistas são colocados a serviço da oposição ao governo na busca permanente de convencerem os indecisos a rejeitarem o PT, Dilma e Lula. Essa estratégia pode não estar funcionando, já que a popularidade de Dilma parece estar se recuperando e Lula foi recentemente mostrado em uma pesquisa de opinião como tendo possibilidades reais de se tornar nosso próximo presidente, caso concorra.


Manifestações massivas em favor de Dilma, Lula e do PT também estão ocorrendo em todo o país, com a participação e apoio de artistas e intelectuais de peso, o que mostra que eles estão longe de ser rejeitados –  modo como a mídia tradicional das cinco famílias tenta descrevê-los. 





1964 NUNCA MAIS!!!

terça-feira, 12 de abril de 2016

WHAT'S HAPPENING IN BRAZIL - APRIL 2016

WHAT’S HAPPENING IN BRAZIL 
(by Flávio B.Prieto and Alzira Lopes)

From time to time, it is important to give a different insight on how Brazilian people cope with their internal problems and what they actually consist of, as the transformation of national mass media in a kind of political opposition party makes their coverage totally blurry and unreliable. What is really happening in Brazil in terms of politics, economics and social perception? We will try to address such question in this short article. 

Brazilian politics experiments a confusing dilemma: although most people say they do not trust politicians and parties, they do vote for whoever and whichever party they see as more identified with their own perceptions. The percentage of non-valid and null votes in Brazil usually ranges from 5 to 10%. And, after the elections, they tend to keep the same position they had before, no matter who wins, which makes the ideological fight go on. 

Right-wing opposition has lost four elections in a row and this exasperates them because they think and act as if they had a natural right to power, which is incompatible with such situation. So, they have decided to become more and more combative. They did start combating in several fronts: from saying they’d not accept the numbers of the election to launching several legal and administrative claims against president Dilma winning party. 

Since October 2014, when Dilma was reelected, opposition and its associated media have been agitating the political scene with varied strategies like trying to induce inflation by magnifying economic world crisis internal effects, issuing hard talks on corruption while hiding opposition parties’ misdeeds, blocking Congress voting and forcing a shady public accounts body (TCU) to reject Dilma’s government budget accounts under fabricated reasons. 

Next, they started talking about impeachment – which is been discussed right now in a special Congress commission. As Dilma and PT have succeeded in earning the support of smaller parties to block this process in the next stages, opposition found an alternative move in the electoral court (TSE)  which has approved Dilma’s campaign in December 2014 – by filing a claim that PT campaign accounts must be reassessed and rejected now. 

Economy has been showing signs of starting a slow recovery – which makes mass media to reignite the drumming on inflation. Radio, TV, Internet, newspapers and magazines are placed at the service of government’s opposition, in the permanent quest to convince the undecided to reject PT, Dilma and Lula. This strategy may not to be working, as Dilma’s popularity seems to be recovering and Lula was recently shown in an opinion poll as holding real possibilities to become our next president, if he competes. 

Massive demonstrations in favor of Dilma, Lula and PT are also taking place all over the country, with the attendance and support of important artists and intellectuals, which shows they are far from being rejected as the traditional five-families’ media tries to depict them.  


NÃO VAI TER GOLPE - E VAI TER LUTA!


Fotos: Yesterday in Lapa, important landmark in Rio de Janeiro
http://www.tijolaco.com.br/blog/multidao-que-nao-sai-no-jornal-mas-existe-e-se-levanta-como-uma-onda/
http://cidadeverde.com/noticias/217334/ao-lado-de-artistas-lula-comanda-ato-contra-impeachment-no-rio-de-janeiro


terça-feira, 5 de abril de 2016

BANDEIRA ESFARRAPADA

Não há hipótese legal de convocarem novas eleições por 'ingovernabilidade'. 
Isso também é golpe.

Quem se dedica a dificultar ou impedir a governabilidade é que empunha essa bandeira esfarrapada. Não caiamos nessa!

domingo, 3 de abril de 2016

TRUMBO E AS LISTAS DA LAVA JATO

Desde o início da operação Lava Jato e subsequente abertura de processo de impedimento da presidenta Dilma, ficou claro que os métodos se assemelhavam a algo que eu já vira no passado. Em um primeiro instante, refleti que era semelhante ao processo anterior, batizado de 'Mensalão' (Ação Penal 470), que seguia a estratégia de um grande julgamento público voltado a condenar apenas um grupo político por supostas práticas de corrupção. Todavia, estendendo a memória, se parecia também a outros fatos políticos já ocorridos no Brasil como as tentativas de golpe contra Getúlio, JK e Jango.

Refletindo mais e ampliando as analogias, haveria ainda um paralelo histórico mais preciso: o McCarthismo dos Estados Unidos dos anos 40, 50 e 60 voltado ao 'perigo vermelho', começando com uma lista negra e culminando com interrogatórios e julgamentos sumários de supostos comunistas e posterior destruição de suas vidas, reputação, trabalho e famílias.

Entre as semelhanças, a existência de listas negras, prisões e delações forçadas, julgamento prévio pela grande mídia, condenação e execração pública e incitação ao ódio ou desprezo coletivo contra aqueles que apareciam como traidores ou delinquentes nacionais. A afirmação permanente de ideais pseudo-liberais e supostos interesses nacionais a serem defendidos também se mostra, agora, na tentativa de impedir ou afastar uma presidenta eleita por 54 milhões de eleitores, em um procedimento acusatório sem crime definido e sem direito suficiente de defesa. 

No filme "Trumbo - Lista Negra", que procura retratar as agruras de um grupo de roteiristas de cinema na pessoa de Dalton Trumbo, um renomado roteirista de Hollywood e ganhador de prêmios de literatura, as vidas de inúmeras pessoas são arrasadas em nome da defesa dos ideais norte-americanos e da luta contra o 'perigo vermelho'. Aqueles que são colocados nas listas negras perdem seus empregos e são julgados e condenados sumariamente. Suas famílias sofrem com a exposição pública negativa e têm dificuldades para seguir em frente. Perseguem-se homossexuais e negros, além de todo aquele que não professe os mesmos ideais dos perseguidores.

Embora as situações e épocas se diferenciem, não pude deixar de me lembrar que o momento atual do Brasil, conduzido por uma mídia e uma direita fundamentalistas e órgãos institucionais a seu dispor, também inclui o pavor ao Comunismo, combate ao direito de livre escolha sexual, tentativa de afirmar um nacionalismo excludente e moralizante, denúncias permanentes de corrupção, ataques às liberdades individuais e coletivas, uso da mídia como arma de mobilização e execração pública, tribunais de exceção, relativização de direitos em nome do bem nacional, etc.

Assim como na época do McCarthismo se dava aos inimigos o tratamento de traidores e inimigos da pátria, agora se dá a petistas e seus aliados o tratamento de corruptos e inimigos da pátria - chegando ao ponto de um procurador federal dizer que seria inviável e sem interesse jurídico investigar governos anteriores - mesmo que nas listas atuais 'vazadas' ao público só apareçam nomes de opositores ao PT. E a tribuna da mídia, capaz de influenciar a opinião pública sob pretexto de informá-la, continua sendo o maior baluarte dessa direita que ataca seletivamente, sob falso pretexto.